49- Desencantado (Otubro 2004)

DESENCANTADO

“Admira-me que estejais passando tão depressa daquele que vos chamou na graça de Cristo para outro evangelho,...” Gl 1.6

O apóstolo Paulo sempre demonstrou uma grande preocupação para com as igrejas em geral, especialmente aquelas cujos salvos eram seus filhos na fé.

Este amor e preocupação são percebidos na sua carta aos gálatas, notadamente em 4.19,20, onde ele diz: “Meus filhos, por quem, de novo, sofro as dores de parto, até ser Cristo formado em vós; pudera eu estar presente, agora, convosco e falar-vos em outro tom de voz; porque me vejo perplexo a vosso respeito.” De forma recíproca, os crentes da galácia o amavam e admiravam a ponto de, se possível, arrancarem os próprios olhos para lhe dar (Gl 4.13-15).

Como em todas as suas cartas, o apóstolo é cuidadoso ao introduzir os assuntos, preocupado com que todos os seus leitores entendam desde o começo o que ele vai tratar ao longo da carta. Estava em jogo a essência do evangelho, bem como dois aspectos à ele concernentes: salvação e santificação pela graça. São três, pelo menos, as repreensões presentes na carta: 1) a leviandade dos gálatas 2) os falsos mestres judaizantes 3) as falsas acusações contra ele de “oportunismo”. Diante disso, Paulo manifesta seu espanto e desencanto pela rapidez com que os gálatas estavam passando para um “outro evangelho” que, na verdade não é evangelho nenhum, porque evangelho é boas novas. O evangelho é simples, sem segredos e sem mistérios. Na sua carta aos Coríntios, temos uma descrição, dada pelo apóstolo, do que legitima o evangelho: “Que Cristo morreu pelos nossos pecados, e que foi sepultado, e ressuscitou ao terceiro dia” (! Co 15.1). Por isso, então, Paulo usa uma linguagem veemente ao afirmar que os gálatas estavam se afastando de Deus e que os tais mestres são enganadores.

É notável sua ordem aos gálatas quanto àqueles que pregam esse “outro evangelho”: Seja anátema (amaldiçoado). Ele não está se referindo a homens que são manifestamente contra o evangelho, nem se referindo a ateus, mas Paulo está se referindo a homens que se dizem pregadores e profetas do evangelho, pessoas que usam a Bíblia, mas apresentam um evangelho que não é evangelho. E como foi doído (como as dores do parto) para Paulo ver que seus filhos na fé estavam dando ouvidos a falsos mestres.

Olhando para a igreja hoje, quantas ovelhas estão dilaceradas e dispersas por darem ouvidos e acabarem seguindo outro evangelho. Quantas ovelhas estão seguindo falsos pastores que negam o perigo e se riem das ameaças que rodeiam o rebanho de Deus. Quantos mercenários estão afastando as ovelhas (que os seguem fielmente) do aprisco, enquanto o lobo se aproxima para matar e destruir. Os grandes enviados de Satanás não são donos de bares na esquina; em sua maioria, eles são ministros do evangelho ordenados por igrejas (2 Co 11.13-15). São aqueles que não estão mais engajados em apresentar as verdades fundamentais da fé cristã.

Não, não culpo apenas os falsos pastores, mas também aqueles que se deixam levar, não suportando mais a sã doutrina, como que sentindo coceiras nos ouvidos (2 Tm 4.3). Quantos estão passando de forma rápida para outro evangelho. As exigências de uma época repleta de atividades são inumeráveis, de modo que milhares de crentes têm pouco ou nenhum tempo para se prepararem para o encontro com Deus. Muitos são indolentes para investigarem as verdades bíblicas por si mesmos e são deixados à mercê daqueles a quem “pagam” para fazer isso.

Com isso, afrouxam-se os princípios bíblicos (não me refiro a um pensamento pequeno, que se preocupa com regras ou normas que mais parecem cabrestos), mas a princípios para o casamento, a família, o trabalho, a convivência social, princípios de relacionamento com as autoridades, princípios para a sexualidade sadia – homem e mulher dentro do compromisso do casamento, caráter cristão, etc. Afinal, ser um verdadeiro crente é ser impopular. Se alguém assume com muita seriedade a verdade e os princípios bíblicos e tem a ousadia de falar a verdade em meio à crise moral, social e espiritual de nossos dias, inclusive dentro da igreja, tal pessoa mais cedo ou mais tarde descobrirá que está sendo alvo de olhares furiosos.

Enfim, passa-se do evangelho para um outro porque as pessoas não querem mais um Deus santo, que é justo e tem revelado Sua vontade a respeito de como devemos viver. O outro evangelho abaixa o padrão de santidade para atrair mais pessoas.

Portanto, irmãos, se um dia recebemos vida pelo Espírito, continuemos andando no Espírito.

De alguém ainda encantado com a igreja,

Pr Silas Arbolato da Cunha

Outubro/2004

FRASES ENCONTRADAS

Nestes tempos em que proliferam os métodos para atuação da igreja, afrouxa-se a prática dos princípios bíblicos, há um abandono dos valores morais, cresce a confusão religiosa e busca-se entretenimento, jamais deixaremos de ser a “agência” onde aqueles iludidos pelo evangelho fácil poderão encontrar verdadeiramente a nova vida em Jesus Cristo.

Outubro/2004