44- Fervor Destemido (Outubro 2005)

FERVOR DESTEMIDO

  

Invoca-me, e te responderei; anunciar-te-ei cousas grandes e ocultas, que não sabes. Jeremias 33.3

um hino que minha mãe gosta muito: O 140 - “Quão bondoso amigo é Cristo”. No final da 1ª estrofe diz: “Falta ao coração dorido gozo, paz, consolação? É porque não confiamos tudo a Ele, em oração.”.

Quero lhe perguntar algo: Você está carregando algo que deveria ter abandonado há muito tempo nas mãos de Deus? “Chame por mim,” Deus diz em Jeremias 33.3, “eu te responderei; anunciar-te-ei cousas grandes e ocultas que não sabes.” Deus diz, não espere o que é que você precisa? Fale, diga agora!

O fervor destemido na oração não vem facilmente para muitas pessoas. A grande maioria dos discípulos de Cristo nunca se arriscou em tal honestidade. De alguma maneira, as pessoas têm medo de ofender a Deus, ou então, que Ele as verá do modo como elas realmente são.

Ouça: Deus pode controlar sua raiva. Leia os Salmos. David disse algumas coisas realmente chocantes para Deus e Deus não o lançou fora. Levante-se em fé e diga, “eu não agüento isto.” Sem honestidade, oração é falar para você mesmo.

Deus pode controlar seus medos. Futuro, doença, família, emprego? Eu penso que devemos ir e falar sobre isso com Ele. É Ele quem diz: Invoca-me.

Deus pode controlar suas dúvidas, também. Você tem um grande ponto de interrogação sobre o amor de Deus por você? Ele se importa com o que acontece comigo? Ele realmente me vê, sabe tudo sobre mim? É preciso abrir o coração, honestamente, diante dEle. Ele promete mostrar para você “cousas grandes e ocultas que você não sabe.”.

Se você estiver em uma crise na qual você não pode reconciliar o que você está vendo com um Deus que é fiel, clame a Ele! Qualquer outra reação só irá corroer sua confiança em Deus; quer sejam seus temores, suas duvidas, sua ira. O fervor destemido é uma arma poderosa para derrotar estes inimigos. Não perca a paz de Deus nem carregue mais alguma dor desnecessária. Clame a Ele em oração honesta, fervente.

Pr Silas Arbolato da Cunha

Outubro/2005