43- Desperdício (Dezembro 2005)

DESPERDÍCIO

“...esquecendo-me das cousas que para trás ficam e avançando para as que diante de mim estão, prossigo para ao alvo..” Fp 3.13b,14a

Nós somos hábeis em desperdiçar coisas: desperdiçamos alimento, desperdiçamos tempo, desperdiçamos dinheiro, desperdiçamos água, etc.

Creio que há um outro campo da nossa atividade onde o desperdício também é grande: a atividade religiosa. É completamente possível desperdiçarmos algumas horas na igreja semanalmente. Uma pessoa pode freqüentar uma igreja, conhecer a Palavra e sua vida não melhorar em nada.

Na igreja onde os crentes se devotam com alegria a um relacionamento pessoal e afetuoso com Deus, não ouvimos as mesmas orações semana após semana, não ouvimos as mesmas músicas domingo após domingo, ano após ano. Tudo sempre se faz novo.

Este texto nos mostra que é possível ter movimento sem progresso. É como um carro patinando na lama. O esforço é grande, mas não avança. É como um carrossel num parque de diversões. A energia despendida não resulta em avanço.

Quanto de nossas atividades tem sido desperdício religioso?

Em Deus sempre há movimento, nunca desperdiçado. Deus sempre age com vistas a um fim determinado.

Como seres criados à imagem de Deus, nossas atividades que não resultam em progresso em direção a um alvo, são desperdícios.

Por trás desse desperdício podem estar uma de três causas:

O cristão é ignorante das Escrituras

pessoas que se converteram e foram deixadas à sua própria sorte. Sabem que têm a vida eterna e a segurança de ir para o céu. Oraram recebendo Jesus e pronto.

É como dar a ferramenta e o material para um construtor construir uma casa sem, contudo, lhe dar a planta. Ele também não tem a menor noção do que construir. Então, ele fica “polindo suas ferramentas” (oração, leitura) domingo após domingo e se fixa nesta rotina enfadonha, às vezes atrapalhando os que querem progredir.

Incredulidade e desobediência

Num certo grau, todos nós somos culpados disto. Já reparou quantas coisas pedimos a Deus que Ele já fez ou que não fará por causa da nossa incredulidade? Pedimos a Deus que fale conosco, quando Ele já falou. Rogamos ao Espírito que nos encha, mas não queremos abandonar nosso pecado nem queremos ser transformados.

Quando agimos assim, fazemos com que nossas atividades religiosas sejam desperdício. Você pode freqüentar a igreja, entregar o dízimo, cantar, orar, trabalhar, liderar.... Precisamos lembrar o que Samuel disse a Saul “O obedecer é melhor do que o sacrificar.”

Aprendamos a saborear mais os momentos na igreja e tirar proveito disso. Não nos conformemos com as migalhas da religião. Infelizmente, há muita gente descontente fingindo contentamento, tentando compensar o déficit emocional de uma vida sem significado e sem progresso.

O cristão devoto à Jesus Cristo e não à religião tem como resultado a glória eterna, e não o desperdício. Mais evangelho da graça e menos religião para avançarmos, sem desperdícios.

Pr Silas Arbolato da Cunha

Novembro/2005