Devocionais Dirigidas I: Estresse! (7)

A seguir, oferecemos algumas sugestões de textos bíblicos lidando com a questão do "estresse", com estudo dirigido para que o leitor aprenda a lidar biblicamente com o assunto.

Dia 1: Mateus 11:28-30

Embora o termo “stress”  nunca apareça na Bíblia (assim como termos como “Trindade”, “culto doméstico” e “seminário”), há muitos textos que tratam de conceitos associados com este mal do vigésimo primeiro século. 

!Anote aqui alguns sinônimos e sintomas do que hoje é considerado “stress”:        

&Leia Mateus 11:28-30. 

Contexto:  Note bem o contexto anterior deste convite dado por Jesus, (11:25-30), especialmente vs. 25.  O que você observa?         

Veja o contexto posterior (cp. 12).  Este é um momento climático no livro de Mateus, em que Jesus será rejeitado definitivamente pelos líderes religiosos da nação.  À luz de Mt 11:28-30, como que os fariseus contribuíram à sobrecarga e ao cansaço do povo? (cp. Lc 11:46, Mt 23:4) 

!Tom:  Como você se sente ao ler Mt 11:28-30?  Descreva o tom deste convite:        

 

!Paradoxo: Quais os grandes paradoxos deste convite?         

(O Jugo de Jesus: Medite bem no versículo 29.  Qual o jugo de Jesus, conforme este versículo? Como que o jugo de Jesus pode aliviar cansaço e sobrecarga?         

Como que a defesa dos meus “direitos”; a auto-proteção; o orgulho; o ativismo; legalismo; o temor dos homens contribuem para “cansaço e sobrecarga”?      

(Você consegue identificar áreas em que a falta de humildade e mansidão tem causado um “stress” em sua vida?  Onde sua preocupação com “aparências” e “expectativas” de outros tem roubado seu sono?  Anote-as aqui:           

Que tal entregar essas areas a Deus em oração, pedindo que Ele lhe dê o alívio do jugo de Jesus.


Dia 2: Salmo 131 

Este pequeno salmo descreve o oposto do “stress”, a bonança experimentada pela alma que consegue descansar em Deus.  Ao mesmo tempo, revela alguns dos “ladrões” que roubam nosso descanso. Leia atentamente o salmo. Conforme versículo 1, quais são alguns destes “ladrões” de paz e descanso?      Em sua própria vida, você já experimentou o “stress” causado por algumas destas características?   Quais?            

Como que esta lista compara com o texto que lemos ontem (Mt 11:28-30)?  Você consegue identificar alguns paralelos?  Quais?            

Leia versículo 2.  A idéia por trás dos verbos “calar e sossegar” é de “nivelar”, como por exemplo, um mar agitado. Você passa por momentos em sua vida em que sua alma parece um mar agitado?  Por  quê?   

A frase, “como a criança desmamada se aquieta nos braços de sua mãe” nos chama atenção.  Note que o salmista NÃO falou, “como a criança que está mamando se aquieta nos braços de sua mãe”.   O que satisfaz essa criança—o leite que a mãe oferece, ou a própria mãe?  Você consegue traçar alguns paralelos com seu relacionamento com Deus?  Quais?                      

Leia versículo 3.  Sua esperança hoje está em Deus, de tal forma que haja uma bonança em sua alma? Ou você está carregando fardos de ansiedade que agitam seu espírito?  Que tal “lançar sobre Ele toda sua ansiedade” na certeza de que “Ele cuida de você” (1 Pd 5:7).


Dia 3: 2 Corintios 4:5-7 

Às vezes, o esquecimento de quem realmente somos nos leva a extremos emocionais e espirituais de orgulho ou desânimo.  Parece que Paulo tinha um conceito muito equilibrado de si baseado não em conceitos populares de “auto-imagem” e “auto-amor” mas num entendimento apurado da sua identidade em Cristo.  Este “realismo santo” ajuda-nos a combater o “stress” quando acontece. Leia 2 Coríntios 4:5-7. Contexto: Nesta carta o apóstolo está defendendo seu apostolado contra ataques inimigos que acabariam minando sua autoridade e o impacto de seu ministério.  Mas ao invés de levá-lo a desânimo, Paulo reanimava-se com a convicção do seu chamado e do ministério concedido a ele (veja vs. 1). Quais são duas maneiras como Paulo se identifica no versículo 7?

   1)            

   2)             

O que ele quer dizer com a frase “vaso de barro”?  Descreva as características de um “vaso de barro”:           

Certa vez algum disse, “Ficar decepcionado consigo mesmo significa ter acreditado em si mesmo”.  Você concorda ou discorda?          

Saber que você é “vaso de barro” soa como boas ou más notícias a você?  Por quê?      

Qual o “tesouro” que carregamos (leia vss. 4-6):       

O que Jesus quer fazer apesar de (e às vezes por causa de) fraquezas em seu “vaso de barro”?   Como que um entendimento equilibrado sobre quem somos pode nos curar de “stress”?            

Leia 1 Coríntios 4:7.  Faz sentido um “vaso de barro” fazer comparações com outros vasos de barro?  Por quê não?                         

Peça que Deus lhe dê uma compreensão correta da sua identidade como “vaso de barro” que resplandece o brilho do seu Filho Jesus.


Dia 4: 2 Coríntios 12:7-10 

Às vezes o “stress” vem por causa de situações que fogem do nosso controle, providenciados pelo próprio Deus para nosso crescimento espiritual.  Parece que esse foi o caso do Apóstolo Paulo ao tartar do seu “espinho na carne”. Leia 2 Coríntios 12:7-10. Qual foi a causa do “stress” na vida de Paulo?        

Há um paradoxo na descrição da origem deste “espinho”  (vss. 7,9).  Como conciliar o fato de que era “mensageiro de Satanás” mas ao mesmo tempo algo que o Senhor recusou tirar?         

Conforme vs. 7, qual foi a razão principal por trás desta aflição?         

Você tem dificuldade em aceitar o fato de que é possível que haja situações desagradáveis em sua vida que Deus recusa tirar?  Qual seria uma situação pela qual você tem orado a muito tempo?   

Conforme vs. 9, por quê Deus não nos tira do “stress” em determinadas situações?  O que Ele quer provocar?            

Qual a provisão soberana de Deus para aguentarmos os “espinhos na carne” (vs 9)?         

Qual deve ser nossa attitude diante de situações extremamente angustiantes que Deus não remove de nós (9,10)?            

Se você está passando por uma situação semelhante a essa, clame a Deus pela graça e paciência para depender dEle, e permitir que Sua vida se manifeste em você.  Agradeça a Deus pelo fato de que Sua força se manifesta em nossa fraqueza.

Dia 5: João 13:1-4 

Se houve uma noite em que o Senhor Jesus experimentou “stress”, foi a noite antes da sua crucificação.  No cenáculo, descobrimos alguns dos fatores que permitiram que Jesus não somente aguentásse o desespero daqueles momentos, mas que levou-O a SERVIR aos seus amados.  Mesmo em meio ao “stress” Deus pode nos usar para servir outras pessoas.  Mas temos que basear nossas vidas não em circunstâncias transitórias, mas em fatos eternos. 

Leia João 13:1-4.   

Contexto:  Descreva o contexto em que estes eventos aconteceram:     

Como você acha que Jesus estava se sentindo?                  

Tom: Descreva o tom deste texto.  O que você sente ao ler estes versículos?        

Preste muita atenção ao versículo 3.  Este versículo começa com um particípio grego (“sabendo”) que parece dar a razão porque Jesus podia servir aos seus amados de forma tão humilhante (vs. 4): “Por que Jesus sabia que  . . . . ele levantou-se da ceia . . . e lavou os pés dos discípulos.”  O que Jesus sabia que permitiu que Ele servisse aos discípulos em meio aos momentos mais difícies de sua vida (vs. 3)?             

   1)                      

   2)                      

   3)            

Você consegue traçar alguns paralelos entre o que Jesus sabia, e aquilo que nós sabemos sobre nossa posição e nosso destino “em Cristo”? Veja os textos a seguir:

1)    Rm 8:17          2)    Ef 1:3           3)    Gl 2:20          

Certamente em meio a situações estressantes, há horas em que precisamos parar tudo que estamos fazendo e reconstruir nosso relacionamento com Deus, e lembrar-nos sobre o que é verdadeiro a nosso respeito, a respeito do mundo e de Deus.  Mas também há horas em que continuamos servindo a Deus apesar do nosso “stress”, baseado em nossa identidade em Cristo.  Você consegue diferenciar entre estes momentos? 

Como saber se deve “parar” ou “prosseguir”?  

Peça que Deus lhe dê entendimento espiritual sobre sua verdadeira identidade em Cristo, conforme Paulo orou em Ef 1:15-23 e 3:14-21, para que possa vencer o “stress” com a verdade da sua posição em Cristo.


 

Dia 6: 1 Rs 19:1-10

 

Elias certamente era homem semelhante a nós (Tg 5:17).  Mesmo sendo um homem de Deus, passou por momentos que hoje talvez seriam diagnosticados como “depressão profunda” ou até mesmo um “stress”.  Sem considerar os méritos (ou deméritos) de tais classificações psicológicas, observe bem este texto e sua descrição do abismo em que Elias se encontrou. Leia 1 Rs 19:1-10 Contexto:  Faça uma revisão rápida dos eventos de 1 Reis 18.  Você acha que existe uma ligação entre a euphoria da montanha de capítulo 18 e a derrota do vale de capítulo 19?  Descreva essa ligação:           

Qual a lição espiritual que podemos tirar dessa ligação?                 

Anote alguns dos sinais nos versículos 1-10 de que Elias havia perdido perspectiva sobre a Verdade:           

 

Você consegue traçar alguns paralelos entre o desânimo que você às vezes experimenta, e a situação de Elias?  Quais?            

Como que a compreensão destes fatores pode servir de alerta e até mesmo solução destas experiências?            

Como que o pensamento moderado sobre nós mesmos (Rm 12:3) e sobre a verdade da nossa identidade como filhos de Deus “em Cristo”  nos livrar da tentação de desânimo provocado pelo “stress’?                 

Dia 7: 1 Rs 19:5-18 

Deus foi ao encontro do seu profeta desanimado, renovando sua perspectiva sobre a Verdade.  Leia o texto mais uma vez, atento às soluções providenciadas por Deus. Ao lado destes versículos, anote um dos passos na solução do desânimo do profeta: 

   1)    (vss. 5-7)           

Você acha que o aspecto físico é muito comum em suas horas de desânimo/”stress”?  Por quê?        

   2)    (vss. 8-10)        

Como que um tempo “a sós” pode purificar nosso espírito e renovar nossa perspectiva sobre Deus?  Você tem o costume de afastar-se do barulho e da agitação do seu mundo para renovar sua perspectiva sobre Deus e si mesmo?         

   3)  (vss. 11-14)         

Até aqui neste momento na vida de Elias, Deus foi o Deus do vento, do terremoto e do fogo (veja cp. 18!)  Será que a suave voz de Deus siginifica uma mudança na maneira em que Deus conheceria a Deus?  Por quê ele precisava reconhecer a presença de Deus mesmo na suave voz?  Você precisa perceber a mão de Deus pairando sobre você, mesmo nos pequenos detalhes?  Como? 

   4)    (vss. 15-17)          

A comissão de ungir dois reis e o profeta successor de si mesmo deveria ter sido um encorajamento para Elias, não somente porque ele agora seria um “fazedor de reis”, mas porque Deus ainda tinha tudo sob controle.  Você tende a esquecer de que Deus é soberano nas horas escuras de desânimo e “stress”?  Por quê?         

   5)    (vs. 18)           

Compare vss. 11, 14 e 18.  Deus lembra seu profeta desviado de que ele nunca ficava completamente só, apesar das aparências.  Solidão certamente é uma das principais causas de “stress” e desânimo.  Há alguma area em sua vida onde você se sente sozinho?  Como que este versículo pode ser um encorajamento em sua vida?          

Leia Rm 8:31-39.  Louve a Deus porque em Cristo,não há acusação, condenação, ameaça ou qualquer outra coisa que nos separará do amor de Cristo!